Química Orgânica
  • Introdução
  • Aulas
  • Datas de Avaliação
  • Contactos
  • Laboratórios
  • Inscrições
  • Objectivos
  • Visitas de Estudo
  • Classificações
  • Programa
  • Dúvidas
  • Revisão de provas
  • Bibliografia
  • Método de Avaliação
  • Comentários



  •  Introdução




     Contactos

  • Código da disciplina: 22 VD

  • Regente, aulas teóricas, aulas práticas: José Nuno A. Canongia Lopes, Telefone: 21 8419261, Extensão: 3261, Departamento de Engenharia Quimica, Secção de Química Orgânica, Correio electrónico



  •  Objectivos




     Programa

      1. Introdução.
        1.1 Introdução histórica. Orígens da química orgânica.
        1.2 Estrutura electrónica e molecular dos compostos orgânicos.
          1.2.1 Estruturas de Lewis.
          1.2.2 Orbitais híbridos e ligação química.
          1.2.3 Fórmulas de estrutura.
          1.2.4 Teoria da ressonância.
          1.2.5 Grupos funcionais.

      2. Alcanos e cicloalcanos.
        2.1 Nomenclatura.
        2.2 Propriedades físicas. Tensão angular em ciclos.
        2.3 Análise conformacional.
        2.4 Tensão angular em cicloalcanos.
        2.5 Combustão.

      3 Estereoisomeria.
        3.1 Tipos de isómeros.
        3.2 Moléculas quirais. Enantiómeros e misturas racémicas. Actividade óptica. Configuração absoluta.
        3.3 Compostos com mais de um átomo quiral. Diasteriómeros. Projecções de Fischer.

      4 Reacções de substituição nucleófila alifática e eliminação.
        4.1 Nomenclatura de halogenetos de alquilo, álcoois e éteres.
        4.2 Reacções de substituição nucleófila. Conceito de nucleófilo
        e electrófilo. Grupo rejeitado.
        4.3 Reacções SN2.
          4.3.1 Mecanismo, estereoquímica e cinética.
          4.3.2 Efeito do nucleófilo, grupo rejeitado e estrutura do substrato.
        4.4 Reacções SN1.
          4.4.1 Mecanismo, estereoquímica e cinética.
          4.4.2 Carbocatiões. Factores que afectam a velocidade da reacção.
        4.5 Reacções de eliminação
          4.5.1 Eliminação E2. Mecanismo, regioselectividade e estereoquímica.

      5 Alcenos e alcinos. Adição à ligação dupla.
        5.1 Nomenclatura
        5.2 Isomeria cis-trans. Estabilidade relativa.
        5.3 Reacções de hidrogenação.
        5.4 Reações de adição a alcenos.
          5.4.1 Hidratação. Orientação em reacções de adição a alcenos. Regra de Markovnikov.
          5.4.2 Adição de halogenetos de hidrogénio. Estereoquímica.
          5.4.3 Adição radicalar a alcenos.
          5.4.4 Formação de epóxidos.
          5.5 Dienos conjugados. Adição a dienos conjugados.

      6 Compostos aromáticos. Substituição electrófila aromática.
        6.1 Benzeno e aromaticidade. Compostos heterocíclicos aromáticos. 6.2 Nomenclatura.
        6.3 Substituição electrófila aromática.
          6.3.1 Mecanismo. Permuta de hidrogénio. Sulfonação, nitração e acilação de Friedel-Crafts.
          6.3.2 Efeitos de orientação e reactividade. Grupos activantes e desactivantes.
          6.3.3 Sais de diazónio. Acoplamento diazóico. Corantes.

      7 Aldeídos e cetonas.
        7.1 Nomenclatura.
        7.2 Reacções de adição ao grupo carbonilo de aldeídos e cetonas. Hidratos e acetais.

      8 Ácidos carboxílicos e derivados.
        8.1 Nomenclatura de ácidos carboxílicos, ésteres, amidas, anidridos e halogenetos de ácido.
        8.2 Acidez de ácidos carboxílicos.
        8.3 Substituição nucleófila no carbono carbonílico. Reactividade.

      9 Reacções de polimerização e estrutura de polímeros.
        9.1 Introdução. Definição de polímero. Nomenclatura. Estereoquímica.
        9.2 Tipos de polímeros. Homopolímeros e copolímeros. Copolímeros alternados, aleatórios e em bloco. Polímeros lineares e ramificados.
        9.3 Propriedades físicas e polímeros: Peso molecular, estado físico, condutividade eléctrica e estereoquímica de polímeros.
        9.4 Processos de polimerização. Polimerização de adição e condensação. Polimerização por passos e por reacção em cadeia.

      10 Polímeros vinílicos.
        10.1 Polimerização vinílica por radicais livres.
          10.1.1 Mecanismo
          10.1.2 Polimerização em massa, solução, por suspensão e emulsão.
          10.1.3 Exemplos de polímeros vinílicos. Poliolefinas. Poliestireno. Polímeros acrílicos. Teflons. Poliacetileno.
          10.1.4 Polimerização de dienos. Poliisopreno e borracha natural. Elastómeros.
        10.2 Polimerização catiónica.
        10.3 Polimerização aniónica.
        10.4 Polimerização por coordenação. Catalizadores de Ziegler-Natta.
        10.5 Reacções de polímeros vinílicos.
          10.5.1 Modificação de grupos funcionais. Substituição electrófila aromática no estireno. Resinas de permuta iónica.
          10.5.2 Formação de ligações cruzadas ("cross-linking").
          10.5.3 Degradação química de polímeros vinílicos.

      11 Polímeros não vinílicos.
        11.1 Poliéteres e polisulfuretos.
        11.2 Poliésteres e poliamidas. Nylons. Poliuretanos. Poliureias.
        11.3 Resinas fenol-formaldeído.
        11.4 Silicones, polianilina e outros tipos de polímeros.

      12 Polímeros naturais.
        12.1 Mono e polisacáridos. Celulose e seus derivados.
        12.2 Aminoácidos e proteínas. Lã e seda.
        12.3 Outros polímeros naturais.



     Bibliografia

    T. W. Graham Solomons, Organic Chemistry, 7ª ed., J. Wiley & Sons Inc., New York 1998.

    A. Streitwieser, C. H. Heathcock, E. M. Kosower, Introduction to organic chemistry, 4ª ed., McMillan Pub. Co., New York 1992.

    M. P. Stevens, Polimer Chemistry, an Introduction, 2ª ed., Oxford University press, Oxford, 1990.

    K. J. Saunders, Organic Polimer Chemistry, 2ª ed., Chapman & Hall, London 1988.



     Aulas

  • Aulas Teóricas:
  • Aulas Práticas:



  •  Laboratórios




     Visitas de Estudo




     Dúvidas




     Método de Avaliação

  • A avaliação consistirá em dois testes e dois exames.

  • O primeiro teste realizar-se-á a meio do semestre e avaliará a primeira metade da matéria. O segundo teste realizar-se-á no final do semestre (antes do primeiro exame) e incidirá apenas sobre a restante matéria. Terá aprovação na cadeira quem tiver média nos testes de 9.5 valores, não sendo a nota de nenhum destes inferior a 7.5.

  • Quem não tiver aprovação nos testes tem direito a fazer apenas um dos exames finais. Quem optar por não fazer testes (isto é, quem não entregar o segundo teste) tem direito a entregar os dois exames finais. A nota mínima para aprovação nos exames finais é de 9.5 valores.

  • Apenas terá aprovação na cadeira quem tiver (ou tiver tido) aprovação na parte laboratorial da cadeira. Não haverá nota final nesta parte da cadeira, mas terá aprovação quem tiver realizado todos os trabalhos e entregue atempadamente todos os labelários correctamente preenchidos.



  •  Datas de Avaliação

  • 1o Teste:
  • 2o Teste:

  • 1o Exame:
  • 2o Exame:



  •  Inscrições

    As inscrições para provas de avaliação realizam-se neste endereço.



     Classificações

    2001/2002
    Aluno1a Data2a Data
       

  • 1a Data:
  • 2a Data:

    Estes dados são apresentados apenas a título informativo e não serão utilizados para efeito de lançamento de notas.



  •  Revisão de provas




     Comentários

    Todos os comentários devem ser enviados para este endereço.


    DEMat